Páginas

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Ataque a Paulo Freire mira escola pública e mostra 'obscurantismo'

Ato na PUC de São Paulo manifestou apoio ao educador e defesa de educação popular

Para participantes de ato em apoio a Paulo Freire realizado nesta segunda-feira (23), na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, os recentes ataques ao educador miram a escola pública e a democracia brasileira. Alguns falaram em "obscurantismo" e "tempos sombrios", ao citar o momento político do país. Um movimento conservador defende a revogação do título de Patrono da Educação Brasileira dado a Freire em 2012.
Para o professor Moacir Gadotti, presidente do Instituto Paulo Freire, o país vive um "apequenamento" desde o ano passado. Segundo ele, a questão envolve não apenas o educador: "É justamente a educação pública brasileira e a educação democrática, sobretudo. Uma educação que conquistamos em parte".
Ele credita os ataques à falta de reflexão e de conhecimento. "Quando você não tem argumento, acaba usando do preconceito, da ignorância, quando não do ódio", disse Gadotti, citando o próprio Freire, de quem foi amigo durante mais de duas décadas: "Sou professor a favor da luta constante contra qualquer forma de discriminação. É esse o caminho".
Gadotti evocou o perfil "agregador" de Freire para a importância de uma reação, citando o manifesto em defesa do educador e da educação pública. "Está nascendo um movimento que vai congregar, que nos ajudará a superar certa apatia, certa perplexidade. É um pretexto para ampliar nossa luta contra essa desconstrução da democracia, essa piora das políticas públicas e essas políticas regressivas", acrescentou.
O coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, também considera que a escola pública é o alvo da campanha contra Paulo Freire. Alguns dos críticos, inclusive, admitem que nem sequer leram alguma obra do educador. "Colocar Paulo Freire no centro das discussões talvez seja o único caminho para a gente vencer esse debate." A professora Ana Maria Saul, que trabalhou com Paulo Freire na PUC (durante 17 anos) e na Secretaria Municipal da Educação (entre o final dos anos 1980 e início dos 1990), enfatizou a defesa do educador "com uma pedagogia que se compromete com a humanização, contra a opressão".
Autora do projeto que em 2012 deu origem à Lei 12.612, tornando Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira, a deputada federal Luiza Erundina (Psol-SP) lembrou da aplicação de métodos do educador com trabalhadores rurais na Paraíba, seu estado de origem, e citou a atuação de Dom José Maria Pires, arcebispo emérito paraibano, que morreu em agosto – era também conhecido como Dom Zumbi. Eleita prefeita de São Paulo no final de 1988, ainda pelo PT, ela recordou do convite feito por telefone – prontamente aceito, para sua surpresa – para que Freire assumisse a Secretaria da Educação.
"Ele é mais louvado, referenciado, lá fora. Aqui é um atraso histórico, atávico. Vamos acumular força política para ir além da manutenção do título. Vamos reagir a esse obscurantismo, a essa desgraça de governo. Paulo Freire vive", exclamou Erundina, ao lado de Ana Maria Araújo Freire, a Nita, viúva do educador, que morreu em 1997.

Tolerância e amor

Segundo Nita, ele era um homem "extremamente amoroso", que todo sábado e domingo perguntava: "O que tu queres fazer hoje?", que sempre proporcionou proteção, sem nunca dar ordens ou decidir por ela. E reagiu a quem o chama de "comunista", como os defensores da revogação do título: "Ele era socialista e queria uma organização (política) a partir das necessidades brasileiras. Ele queria um socialismo construído pela população", disse Nita, que conheceu Paulo Freire ainda pequena, em Recife – ambos se casaram depois de viúvos, em 1986.  
Ela lamentou que o Brasil atual esteja "dilapidado" e sob ataques de movimentos de extrema-direita. Lembrou de uma mensagem de Chico Buarque, recebida depois do título de patrono: "É o Brasil dizendo que merece Paulo Freire". Segundo Nita, o educador sempre foi uma pessoa capaz de "agregar diferentes".
"Tolerância e capacidade de amar foram os sentimentos mais fortes na vida de Paulo", disse Nita. "Luto por um homem que foi um dos maiores intelectuais deste país, um dos maiores educadores do mundo, mas luto também pelo homem que amei a cada dia dos 10 anos que vivemos juntos."

Assista também à reportagem da TVT:



Nenhum comentário:

Postar um comentário