Páginas

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Queremos a metade que nos pertence

por Gisele Vargas, professora, presidenta do Sinpaaet
Estudo do Peterson Institute for International Economics, publicado pelo El País em 26 de fevereiro de 2016, sobre o impacto da diversidade de gênero nas empresas, revelou que apenas 4%, das 21.980 empresas (265 brasileiras) analisadas em 91 países, têm uma mulher como presidenta. Nos conselhos de administração dessas empresas, a situação é um pouco pior: somente 3% têm mulheres na presidência. A participação feminina triplica nos cargos executivos e conselhos de administração, nos quais as mulheres alcançam 9% do total.
O mais incrível dessa realidade é que nós mulheres somos mais de 50% do total da população. Em muitos municípios, a proporção de mulheres chega a 54%, como é o caso de Florianópolis – por isso, a capital catarinense deveria ter 12 vereadoras e 11 vereadores. No entanto, não tem uma única vereadora. Essa situação absurda da capital é o padrão existente em Santa Catarina, e não apenas no legislativo: é assim no secretariado dos governos municipais e estadual, no judiciário, polícias, na maioria das empresas e das entidades empresariais. Avançamos nas entidades de trabalhadoras e trabalhadores, nas quais a paridade foi conquistada há alguns anos. O Sinpaaet, sindicato do qual sou presidenta, tem nove mulheres na direção, de um total de 15 diretores. A Confederação (Contee) também segue essa lógica, e da mesma forma a Central Única dos Trabalhadores, que tem presidentas estaduais em Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Norte, e a nível nacional sua direção é composta por 50% de mulheres.

Rebelião militante e renascimento do PT

reprodução


A posição da maioria do PT, tolerante com a possibilidade de acordo com os golpistas para a eleição do Congresso, despertou a ira militante e provocou uma insurgência no Partido.
 
Apenas divulgada a resolução do Diretório Nacional de 13/01, a questão se tornou onipresente nas discussões – presenciais e nas redes – entre filiados, militantes e simpatizantes. E também mobilizou, com surpreendente apelo, inclusive militantes progressistas e da esquerda social e não-partidária.
 
Um sentimento de indignação e revolta sacudiu filiados, simpatizantes e amigos do PT, desencadeando uma reação ruidosa para desviar o Partido da marcha da insensatez e, assim, impedi-lo de cometer o que a historiadora Barbara Tuchman chamaria loucura política.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Centrais convocam para março Dia Nacional de Paralisação; confira agenda de lutas

Em reunião na sede do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 20, dirigentes das principais centrais sindicais brasileiras definiram um calendário de ações contra as reformas da Previdência e trabalhista.
"É importante dar um salto de qualidade na questão da mobilização - nenhum assunto afeta tão negativamente a classe trabalhadora quanto estas mudanças na Previdência. Esta PEC é para judiar, vai atingir quem está e quem não está no sistema. Temos de trabalhar para uma paralisação geral", disse Wagner Gomes, secretário-geral da CTB, no início da reunião.
A agenda consensual eleita no encontro abrange os próximos dois meses e tem o objetivo de construir um movimento de resistência às reformas da Previdência e Trabalhista, com seminário, jornada de debates, mobilização em Brasília, culminando com uma paralisação nacional na segunda quinzena de março.
"As lutas contra as reformas e o enfrentamento do desemprego são os eixos centrais da mobilização unitária do movimento sindical. Com ênfase no combate ao desmonte da previdência pública", diz o vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana.
O diretor do sindicato dos metroviários de São Paulo, Flavio Godoi, membro da direção plena da CTB, afirmou que o setor de transportes também trabalha na construção de uma paralisação em nível nacional.
Lideranças da CTB, CUT, UGT, CGTB, CSB, Intersindical e Força Sindical aprovaram o seguinte calendário:
Fevereiro
7 e 8 : Seminário Nacional da Previdência Social
21: Lançamento da Jornada de Debates
22: Mobilização no Congresso Nacional contra as reformas
E no mês de março, em data a ser definida, será o Dia Nacional de Paralisação.
Neste período, as centrais sindicais trabalharão junto a suas bases uma contraofensiva da informação oficial - o objetivo é desconstruir o discurso alardeado em propagandas do governo pelo rádio, TV e redes sociais de que a reforma da previdência é fundamental e inevitável, ainda que estas informações sejam amplamente contestadas por economistas e técnicos da área.

A perspectiva é de aprofundamento da crise

A economia patina e as delações virão por aí. A possibilidade de convulsão social não é alarmismo catastrofista


Eliseu Padilha e Michel Temer: a crise não acabou
A deposição da presidente Dilma Rousseff foi a panaceia receitada em prosa e verso para todas as nossas mazelas. Consumado o golpe parlamentar, empossados o presidente e seus áulicos (Jucá, Geddel, Padilha, Moreira et caterva), ao invés do céu na terra, a realidade dos primeiros oito meses do mandarinato de Michel Temer aponta para um rotundo fracasso, representado pelo agravamento da crise brasileira sob todos os ângulos segundo os quais a examinemos.
A começar pelo ponto de vista ético (o presidente é acusado na Operação Lava Jato como receptador de propina) e do ponto de vista político, em face de sua irrecuperável ilegitimidade, legal, política e popular. 
Dominante é o agravamento da depressão econômica, para a qual tanto tem contribuído o monetarismo arcaico de Meirelles e sua trupe, ainda festejado pela imprensa brasileira, jornalões e revistonas à frente.  

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, morre em acidente de avião em Paraty

O avião no qual estava o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, sofreu um acidente na tarde desta quinta-feira (19) nos arredores da cidade de Paraty, no Rio de Janeiro. O avião modelo BE9L King Air caiu na tarde desta quinta-feira (19) com quatro ocupantes a bordo.
Zavascki estava entre os passageiros, e a família do ministro já confirmou sua morte. O post abaixo foi escrito pelo filho do ministro.
teori zavascki morte confirmacao

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Crise na Uerj revela desprezo dos governantes pela educação, afirma professora

Com atraso no pagamento de professores e funcionários, cortes de água e luz e aulas suspensas, trabalhadores lançam carta com apelo ao poder público em defesa da universidade
UERJ

São Paulo – "Aparentemente, a universidade não tem a importância que os políticos tanto propalam em período de eleição." Ao comentar a crise que se abateu sobre a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), com salários atrasados de professores e servidores e aulas suspensas, a professora de Relações Internacionais Mônica Leite revela "profunda decepção" com os governadores do estado. Por falta de pagamento, a universidade decidiu suspender o reinício do segundo semestre de 2016, previsto para esta segunda-feira (16). 
"Não é uma crise internacional. É uma crise de incompetência administrativa do atual governador – Luiz Fernando Pezão (PMDB) – e do antecedente – Sérgio Cabral, do mesmo partido –, que inclusive está preso por improbidade e corrupção. Desprezo à educação. Tem dinheiro para dar isenção fiscal a grandes empresas internacionais, mas não tem dinheiro para garantir uma obrigação básica do Estado, que é a educação?", questiona a professora.

domingo, 15 de janeiro de 2017

CTB anuncia apoio à Chapa 2 em eleição para o Sindipetro CE/PI

Diante do atual quadro político no país, é primordial que os dirigentes sindicais trabalhem com ampla unidade de ação, em especial, no movimento sindical petroleiro. É o que defende a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). 
Por isso, a direção nacional da CTB declarou seu apoio à Chapa 2, liderda por Iran Gonçalves Filho, no processo eleitoral para o triênio 2017-2020 no Sindicato dos Petroleiros Ceará/ Piauí (Sindipetro CE/PI). A eleição ocorrerá nos dias 18, 19 e 20 de janeiro.
Em documento lançado pela central, o núcleo da CTB petroleira critica a postura excludente e antidemocrática da atual direção e defende a unidade no setor.
“A Chapa 2 constitui uma equipe que consegue aglutinar representatividade, capacidade, compromisso, experiência e renovação – qualidades indispensáveis ao enfrentamento da dura realidade vivenciada pelo povo brasileiro"

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Mercado oferece poucas vagas para trabalhador(a) com mais de 65 anos

Dados do IBGE, do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) mostram que apenas 0,3% dos trabalhadores e trabalhadoras na ativa no país tinham mais de 65 anos de idade em 2015. Isso representa cerca de 137 mil brasileiros (as).
O levantamento expõe um problema que se agravará se a proposta de reforma da Previdência do governo federal for aprovada: como o mercado de trabalho irá absorver os trabalhadores idosos que terão de continuar na ativa após os 65 anos se quiserem manter o seu padrão de vida na terceira idade. 
Estimativas do IBGE apontam que a população brasileira tem cerca de 16 milhões de pessoas com mais de 65 anos. No entanto, apenas 137,6 mil delas ocupam vagas formais no mercado de trabalho, de acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2015. Esse grupo representa apenas 0,3% dos 48 milhões de trabalhadores formais na economia brasileira em 2015.

'Secundas': desobediência e organização

Vindos das escolas públicas, são filhas e filhos da classe trabalhadora, querem destruir hierarquias burras e buscam caminhos para além dos ismos.

Martha Kiss Perrone
Duas imagens em movimento expressam novas subjetividades que tomam corpo no Brasil recente, isto é, na última década.


A primeira, de novembro de 20151. Um jovem estudante negro interpela um policial do dobro do seu tamanho e que pegou o cadeado que representava o controle da Escola Estadual “Raul Fonseca” por parte dos alunos. Depois de uma breve discussão, ele pergunta ao PM se ele tem um mandado. Não, ele não o possui. O menino lhe diz, então, de forma firme e decidida, para se retirar. O que aconteceu no Brasil para podermos ver essa cena? O estudante do ensino fundamental de uma escola da periferia da maior cidade do país campeão da escravidão não tem mais medo e o fim desse episódio (com a saída do policial) seria inimaginável até há pouco tempo.

sábado, 7 de janeiro de 2017

CTB defenderá a educação pública com valorização profissional em congresso da CNTECTB defenderá a educação pública com valorização profissional em congresso da CNTE


Entre os dias 12 e 15, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) realiza o seu 33º Congresso, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, com profissionais de educação do Brasil e do mundo.
“Realizar o nosso congresso neste momento é essencial para debatermos os graves retrocessos que a educação pública está sofrendo”, destaca Marilene Betros, dirigente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).
Ela ataca a reforma do ensino médio enviada ao Congresso através de uma medida provisória e aprovada pela Câmara dos Deputados recentemente. “É um grave retrocesso. Os profissionais da educação não vão se calar. Queremos que a educação avance para um patamar mais elevado, com ampla liberdade”, reforça.
Acesse o caderno de resoluções do congresso aqui
A programação aqui
Agora só falta o Senado votar essa medida. Betros afirma ainda que os docentes tiveram grandes avanços na carreira nos últimos anos e o governo golpista está pondo tudo a perder. “Esse projeto acaba com a obrigatoriedade de curso superior para lecionar e isso foi uma das nossas mais importantes conquistas para a valorização da carreira”.