Páginas

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

CCT da Educação Superior 2014/2015: assinada em 27 de outubro

Foi assinada nesta segunda-feira, dia 27 de outubro, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2014/2015 da Educação Superior. O prazo para oposição da contribuição assistencial começa a contar a partir da data de assinatura e se estende pelo prazo de vinte dias, conforme cláusula 36. Ela deve ser entregue na Secretaria do Sindicato.
Clique aqui e faça o download da íntegra do documento.


Abaixo, leia um resumo da nova CCT:


REAJUSTE SALARIAL
Reposição salarial pelo INPC do período, acrescido de um ganho real, totalizando 6,18%.
Abono salarial de 8% a ser pago em conjunto com o salário do mês de novembro de 2014.


CLÁUSULAS NOVAS:
Regulação das aulas ministradas pelo professor na Pós-Graduação e no Ensino a Distância.
Regulação da licença remunerada para atividade sindical.


Pós-Graduação
A instituição de ensino deverá pagar, a título de hora aula, valor superior ao piso salarial da categoria.
Deverá pagar, também, o repouso semanal remunerado, o adicional por tempo de serviço e o aprimoramento acadêmico.
O professor receberá no início do ano letivo o calendário contendo todas as aulas para turmas de Pós-Graduação que ministrará no período.
Não existe qualquer impeditivo para o professor cumular as aulas de Graduação com as de Pós-Graduação. A Instituição de Ensino deverá quitar por meio de rubrica diferenciada nos recibos salariais cada uma das aulas ministradas.
As aulas de Pós-Graduação poderão ter duração de até 90 minutos, sendo certo que a remuneração deverá corresponder, proporcionalmente, a quantidade de minutos que extrapolar o limite previsto na Cláusula 15 da Convenção (50 minutos para cursos diurnos e 40 minutos para o noturno)
Esta cláusula tem vigência diferenciada e começará a ser aplicada a partir do mês de janeiro/2015.


Ensino a Distância
Garantia de recebimento pelo professor responsável por disciplina à distância, do piso salarial da categoria, conforme a sua classificação (auxiliar, assistente, adjunto ou titular).
Estipulação de um piso salarial para o professor tutor a distância.
Definição das atribuições a serem desempenhadas pelo professor responsável por disciplina à distância e pelo professor tutor a distância.
Fixação da jornada de trabalho compatível com o estabelecido pelo MEC.
Impossibilidade de contratação do professor para ministrar aulas ou atender os alunos nos domingos e feriados. Caso ocorra a prestação de serviços, a hora aula deverá ser quitada com o acréscimo do adicional de 100%, por se tratar de horas extraordinárias prestadas em dias destinados a descanso.
Obrigatoriedade de fornecimento de todo o material e infraestrutura necessária para o pleno desenvolvido das tarefas pelo professor responsável por disciplina à distância e pelo professor tutor a distância.


Licença Remunerada para Atividade Sindical
Garantia de licença remunerada para o Dirigente, com o fim de permitir o desenvolvimento das atividades sindicais durante o período de vigência do seu mandato.


Comissão Paritária
Criação de novas Comissões com o fim de debater e propor melhorias nas condições de trabalho, em razão da aplicação de novas tecnologias na educação e do desenvolvimento do trabalho “on line”.


CLÁUSULAS MODIFICADAS


Cláusula 2 – Regime de Trabalho
Equivalência remuneratória entre o professor contratado em regime de tempo integral com o admitido para o tempo parcial.


Cláusula 5 – Pisos Salariais
Modificação dos pisos observando o reajuste salarial pactuado e a inclusão do piso salarial para o professor-tutor a distância
Garantia do pagamento de um adicional compensatório para o professor contratado para ministrar aulas na graduação, caso seja convidado a trabalhar como professor tutor na parte a distância de graduações na modalidade presencial.


Cláusula 9 – Atividades Extraordinárias
Adequação da cláusula em razão da estipulação de cláusula especifica sobre pós-graduação.


Cláusula 15 – Duração da Aula
Garantia do pagamento integral da hora aula no período diurno, nos cursos que oferecem aulas de 60 minutos, com a utilização do critério existente para a extrapolação do período noturno.


Cláusula 17 – Dia do Professor
Adequação das datas para a realização de seminários e atividades comemorativas.


Cláusula 25 – Carreira Docente
Adequação da cláusula em razão da estipulação de regras específicas para a contratação do professor que ministrará aulas exclusivamente para cursos de Pós-Graduação e para o Professor Tutor a Distância.

fonte: sinpro-rio

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Jornada de Ensino de História e Ditadura

No dia 22 de outubro, o Núcleo de Direitos Humanos, os Departamentos de Direito e História da PUC-Rio e a Comissão da Verdade do Rio convidam para uma jornada de discussão sobre materiais didáticos e práticas pedagógicas no ensino de História da ditadura com o objetivo de avaliar o panorama atual além de propor abordagens e encaminhamentos para pensarmos o ensino de História em uma perspectiva de educação em Direitos Humanos.
Informações e inscrições: politicasdememoria@gmail.com
As inscrições são gratuitas e haverá certificados de presença e participação.
PROGRAMAÇÃO

9h Abertura e apresentação do projeto "Políticas públicas de memória para o Estado do Rio de Janeiro: ferramentas e pesquisas para a não-repetição" (NDH/PUC-Rio, CEV-Rio). 
Coordenador: José María Gómez (Direito/ PUC-Rio)

10h -12h Ensino de História durante a ditadura: roda de conversa com professores.
Professor convidado: Ilmar Rohloff de Mattos (História/ PUC-Rio).

14h-16h História da ditadura nos livros didáticos e espaços de ensino: oficinas com professores.
Professora: Luciana Lombardo (História/ PUC-Rio).

16h-17h Sistematização das oficinas.

17h Coquetel de encerramento das atividades.

REALIZAÇÃO
Departamento de Direito PUC-Rio
Núcleo de Direitos Humanos / NDH PUC-Rio
Departamento de História PUC-Rio
Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro

Apoio
FAPERJ

Auditório B8 - Ala Frings, 8o andar

NOTA AOS TRABALHADORES, AOS CANDIDATOS AO GOVERNO ESTADUAL E À SOCIEDADE

A CTB apoia integralmente a reeleição da presidenta Dilma Rousseff no segundo turno que será realizado em 26 de outubro, tendo em vista que a candidatura do tucano Aécio Neves representa o risco de retrocesso neoliberal. Na economia, acena com um ajuste fiscal que trará de volta o desemprego em massa, a flexibilização e redução de direitos trabalhistas, arrocho salarial, fim da política de valorização do salário mínimo, criminalização e repressão das lutas e movimentos sociais; no plano externo vai restabelecer a política de subordinação aos EUA e ressureição da Alca.
Com relação às eleições no segundo turno para Governador do Estado do Rio de Janeiro, a CTB-RJ entende que as duas candidaturas constituem a base do atual governo Dilma e da aliança para sua reeleição, em que pese alguns desses setores estarem fazendo campanha para o campo do atraso.
A CTB-RJ indica aos trabalhadores do Estado que fortaleçam a posição pró-Dilma e repudiem os defensores do retrocesso e apresenta aos candidatos nossa plataforma:
1 – Em defesa de um projeto estadual de desenvolvimento com valorização do trabalho!
2 – Contra a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais!
3 – Contra a privatização da saúde e da educação! Não às OSs!
4 – Não à políticas de segurança que vitimem a população negra e pobre do Estado!
5 – Não à privatização da Cedae!
fonte: ctbrj

Zona Eleitoral





Quinta estreia #ZONAELEITORAL, programa de política, sexo e cultura


Diante da onda conservadora que é narrada pela grande mídia, Barão de Itararé, Mídia Ninja, OCafezinho, o MegaCidadania, Laboratório de Políticas Culturais, organizam o ZONA ELEITORAL, um programa e um evento de rua transmitido ao vivo pela internet para debater a atual conjuntura política do Brasil durante o segundo turno destas eleições.

O programa diário vai ao ar direto do coração da Vila Mimosa, no Bar Porto Pirata (R. Lopes de Souza, 24 - Praça da Bandeira), no Rio de Janeiro, a partir das 20 horas. A estreia vai ser nesta quinta-feira (16) e o encerramento com a apuração dos votos no domingo (26).

Para a primeira edição estão confirmados Jean Wyllys, Amir Haddad e Jandira Feghali, com apresentação de Miguel do Rosário e de Ana Paula Lisboa. Os comentários do público virtual ficarão por conta do nosso mega Alexandre César Teixeira.

Durante e após o debate a festa é com o grupo colombiano de dança e percussão Káfrica e com o DJ Persan, além de performances do Tá na Rua e do Atelier de Dissidências Criativas, mais projeção pública e convidados especiais.

A ocupação político cultural #ZonaEleitoral é um convite a exercer nosso direito à cidade. Queremos mais liberdade e muito mais democracia. O futuro do Brasil não merece voltar ao passado.

#VemPraZona!

SERVIÇO

#ZONAELEITORAL, programa e evento de rua transmitido ao vivo pela internet
Data: de 16 a 26 de outubro
Horário: a partir das 20h
Local: Bar Porto Pirata (R. Lopes de Souza, 24, Praça da Bandeira - Vila Mimosa), Rio de Janeiro

Sente o clima:

Mais infos:
Carla Santos: 96914-7229
Filipe Peçanha: 32 9116 8602
zonaeleitoral2014@gmail.com

-- 


Carla Santos
Jornalista e tradutora português/Italiano
(21) 9.6914-7229

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Diap: Congresso eleito é o mais conservador desde 1964

Estadão Conteúdo

BRASÍLIA - Apesar das manifestações de junho de 2013 - carregadas com o simbolismo de um movimento popular por renovação política e avanço nos direitos sociais - o resultado das urnas revelou uma guinada em outra direção. Parlamentares conservadores se consolidaram como maioria na eleição da Câmara, de acordo com levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

O aumento de militares, religiosos, ruralistas e outros segmentos mais identificados com o conservadorismo refletem, segundo o diretor do Diap, Antônio Augusto Queiroz, esse novo status. "O novo Congresso é, seguramente, o mais conservador do período pós-1964", afirma. "As pessoas não sabem o que fazem as instituições e se você não tem esse domínio, é trágico", avalia.

Artigo publicado no "Observatório da Imprensa" chama a atenção para o mercado de notícias sob encomenda!

A indústria da distorção da notícia assusta até os jornais

Por Carlos Castilho em 26/09/2014
A infiltração de interesses políticos e econômicos disfarçados de informação no noticiário jornalístico deixou de ser uma exceção para transformar-se numa regra que já preocupa até os grandes jornais e revistas como o The New York Times e The Economist.

A preocupação resulta do fato de que é cada vez mais difícil distinguir dados de interesse público de fatos, números e interpretações de interesse privado, o que compromete a credibilidade do noticiário e consequentemente o faturamento das empresas jornalísticas de todos os tipos e tamanhos.

Os mais novos protagonistas no esforço para moldar a opinião pública por meio de notícias apresentadas como jornalísticas são os chamados think tanks, expressão inglesa que poderia ser traduzida como grupos de estudo e pesquisa. Eles passaram a ocupar o lugar dos lobistas e dos chamados spin doctors, outra expressão inglesa muito usada no submundo da distorção informativa. Os spin doctors são especialistas em interpretar um dado de acordo com as conveniências de quem o contratou.